Dança

Leave a comment
Literature

Teu toque me mostrou um carinho que nunca me julguei digno de receber. E que tu entregas, mesmo mergulhando ainda tão raso no mar de caos que sou eu.

Tu me convidaste para dançar no meio da minha tempestade, afastaste os ventos da insegurança. Mas eles sempre voltam.

Por que eles sempre voltam?

Queria eu que essa dança fosse eterna, fazendo-me sentir a leve brisa que teu olhar comanda. E observar nossos movimentos incalculáveis e incalculados me causa o desejo de concretizar a incerteza do momento em que, juntando teus lábios aos meus, poderei finalmente dizer que não estou sozinho na tempestade.

Contudo, encontro-me apenas neste devaneio, alimentado pelo momento em que nossas mãos esboçaram involuntariamente um entrelaçar de dedos, esperando encontrar o lindo céu que tu trarás após a tempestade e levar-te junto a mim, para explorarmos o infinito.

Storm in a Dreamer's Head

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *